quinta-feira, 6 de maio de 2010

“Bom Dia Brasil”, da Rede Globo, sugere eutanásia como solução para abandono de animais


Acabo de ler a matéria abaixo da ANDA (Agência de Notícias de Direitos Animais) e fiquei indignada. É mais fácil acabar com o problema matando os animais do que conscientizando as pessoas a ser mais responsáveis. Os jornalistas envolvidos deveriam refletir mais sobre as coisas que falam em rede nacional. É por essas e outras que não assisto à TV aberta.

Na foto aqui postada, está uma cachorra abandonada que recolhi da rua. Ela viveu com a minha família e nos trouxe muita alegria. Teria sido correto sacrificá-la porque algum irresponsável largou-a na rua passando fome e sendo maltratada? Na minha opinião, esse irresponsável é que deveria ser penalizado. Animal não é objeto nem brinquedo.


Telejornal “Bom Dia Brasil”, da Rede Globo, sugere a eutanásia como solução para o abandono de animais

Por Fernanda Franco (da Redação)

“Abandonados, cachorros e gatos ficam vagando por aí: um risco para a saúde pública”. Esta foi a frase pronunciada pelo jornalista Renato Machado ao abrir uma matéria veiculada pelo telejornal Bom Dia Brasil, nesta última terça-feira (4), na Rede Globo, sobre os supostos problemas enfrentados pela sociedade com o abandono de animais.

Segundo a matéria, o número de animais abandonados seria preocupante para a saúde pública, e não um reflexo do descaso e da irresponsabilidade humana.

Durante a reportagem, a apresentadora Renata Vasconcellos se refere ao problema do abandono como uma “dor de cabeça” para a sociedadde, e questiona a jornalista Carla Vilhena sobre o que estariam fazendo as autoridades diante dessa população de animais abandonados. Carla Vilhena responde que são encaminhados aos canis municipais, mas eles já não possuem mais condições físicas para comportar esses animais por muito tempo. Então, ela justifica, na sequência: “o problema é que uma lei aqui em São Paulo proíbe a eutanásia de cães e gatos, ou seja, eles não podem ser mortos”.

Sim, a jornalista explicitamente defendeu a matança por eutanásia dos animais abandonados, como forma de “solucionar” essa situação, que para esses profissionais do jornalismo, e bem possivelmente para a Rede Globo também, significa um grande problema apenas para a saúde pública.

Com o mínimo de discernimento (conhecimento da realidade) e competência jornalística, poderia ter sido apresentada uma matéria que sensibilizasse a sociedade sobre os apuros, o frio, a fome, o sofrimento e a solidão devastadora que vivem diariamente milhares de animais abandonados pelas ruas.

Os animais não são lixos descartáveis que incomodam e poluem a paisagem, como fez parecer a reportagem da Rede Globo. Os cães e gatos citados na matéria são grandes vítimas do ser humano. Há apenas dois vilões nessa história: os tutores irresponsáveis que friamente descartam seus animais; e as autoridades, que não tomam providências para evitar a multiplicação desses animais e dar o devido encaminhamento a esses seres indefesos.

Por que será que a matéria da Rede Globo, em vez de defender a eutanásia desses animais, não apontou o dedo para o descaso público, que não move um milímetro de vontade política para resolver essa situação que é totalmente reversível? Onde está a responsabilidade da mídia, dos jornalistas, das emissoras, ao noticiar uma realidade tão triste com tamanho desdém?

As autoridades devem a esses animais uma saída digna, não a morte. E quando o intuito é solucionar, sobram ideias de iniciativas: programas de castração gratuita distribuídos pelos bairros; campanhas e feiras periódicas de adoção; palestras sobre guarda responsável; incentivo às ONGs que já desenvolvem trabalhos de resgate e encaminhamento para adoção; entre outros. Isso, sim, é solucionar a trágica situação em que se encontram os animais abandonados: agindo e conscientizando.

A jornalista Carla Vilhena defenderia também que os detentos, por exemplo, que habitam as penitenciárias superlotadas devam ser eutanasiados? Ou a vida deles tem algum valor? Naturalmente que querem a vida, assim como os animais não humanos (que não cometeram crime algum) também possuem esse direito.

Para assistir à matéria, na íntegra, clique aqui.

Fonte - ANDA-Agência de Notícias de Direitos Animais

2 comentários:

  1. As pessoas parecem não conseguem ver o problema mais sistemicamente... Se existem cães vagando pelas ruas é porque alguém os colocou nessa condição. Ou seja, é muito simples resolver as coisas matando os pobres animais. Mas isso é vai mudar o futuro. ou seja, o comportamento das pessoas? Não, elas vão continuar a achar que podem jogar os animais nas ruas que alguém se "livra" deles. Ou seja, não é uma solução sustentável porque não muda a raiz do problema que é a educação das pessoas.

    Amanhã vai ter gente sugerindo matar os mendingos porque eles estão espalhados aos montes pela rua.

    ResponderExcluir
  2. Eu vi essa reportagem e tive já um ataque de fúria logo pela manhã. E me peguei a pensar que as especialidades do mundo moderno que alienam as pessoas em suas bolhas e fazem com que jornalistas globais pronunciem asneiras incabíveis em rede nacional, simplesmente porque não faz parte do mundo deles a proteção aos animais. Pois é vivemos nesse mundo, onde assuntos que não nos interessam e fatos que não nos rodeiam são por nós descatardos...seja a vida dos animais, sejam os mendigos, como mencionou muito bem a Naty no comentário anterior.

    ResponderExcluir